segunda-feira, 22 de junho de 2009

ENERGIA RENOVÁVEL PODE SER PRODUZIDA POR AGRICULTORES FAMILIARES


O Programa Prosa Rural é transmitido diariamente as 05:45h na Radio Comunitária Verde é Vida, 87,9 Fm para Itapui ou atravé do site: www.verdevidafm.com.br

Programa de rádio da Embrapa explica como produtores rurais podem utilizar resíduos agrícolas para produção de energia

"Utilização de resíduos agrícolas oriundos da agricultura familiar na produção de energia renovável" é tema do programa de rádio Prosa Rural, da Embrapa Informação Tecnológica, que será veiculado em todas as regiões do Brasil, na semana do dia 22 ao dia 28 de junho. O tema será apresentado pela Embrapa Agroenergia, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

No programa o pesquisador da Embrapa Agroenergia, José Dilcio Rocha, explica como os agricultores familiares podem utilizar resíduos agrícolas produzidos na propriedade rural para produção de energia. Em toda propriedade rural são encontrados diversos resíduos, como sobras de madeira, casca de arroz e de café, sabugo de milho, caroço de açaí, bagaço de limão e laranja, entre outros.

De acordo com o pesquisador, qualquer resíduo agrícola ou florestal pode ser matéria prima para a produção de briquetes - uma fonte concentrada e comprimida de material energético que pode ser queimado no lugar da lenha.

Os briquetes são produzidos a partir de qualquer biomassa vegetal, matéria-prima que deve ser processada por uma briquetadeira, máquina com capacidade para processar entre 50 e 1000 kg/h de resíduos. O pesquisador desenvolveu uma briquetadeira que está sendo fabricada por empresas da iniciativa privada. O equipamento deve ser dimensionado para atender a cada propriedade e ter um custo de investimento e operacional compatível.

Durante o programa, Dilcio explica os procedimentos a serem adotados para a produção dos briquetes. O primeiro passo é manusear os resíduos com o mesmo cuidado com que se manuseia produção de alimentos. Além disso, devem estar fora de alcance da chuva e terra. Dado o primeiro passo, os resíduos devem ser secados e moídos. Logo após, o resíduo estará pronto para ser briquetado.

Com o material na mão é hora do produtor ganhar dinheiro. Dilcio sugere que o produtor deve buscar na cidade mais próxima, estabelecimentos comerciais que tenham forno ou caldeira para serem compradores dos briquetes produzidos. Pizzaria, padaria, hotel, olaria ou cerâmica, laticínios, indústria de gesso, entre outros que usam forno são sugestões.

É importante também fazer um plano de negócios para controlar os custos envolvidos nesta atividade, que pode ser feita com a parceria da assistência técnica ou da associação de produtores. O produtor rural deve se organizar com outros produtores para adquirir equipamentos mais caros como briquetadeira, secador e picador.

Diante dos preços altos dos combustíveis tradicionais, da crescente conscientização quanto à preservação ambiental e das dificuldades para obtenção de lenha, a produção de briquetes se apresenta como uma alternativa que traz benefícios sociais, econômicos e ambientais. O biocombustível substitui a lenha na sua totalidade, sem a necessidade de qualquer modificação no equipamento, inclusive os novos fornos a lenha compactos trazendo assim economia, comodidade, rentabilidade e a garantia no fornecimento. "Esse aproveitamento ajuda na renda do pequeno produtor, além de evitar que este material seja queimado a céu aberto, causando danos ao meio ambiente", conclui o pesquisador.

Além das sugestões do pesquisador, os ouvintes também podem escutar dicas para produção dos briquetes. Produzido por Dijalma Barbosa da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, em um diálogo informal, entre casal de produtores, Dona Maria convence Seu Zé que, no lote onde moram, muito produtos podem ser reciclados e virar lenha ecológica. Desse jeito, não faltará mais fogo para cozinhar.

domingo, 17 de maio de 2009

Artista brasileira de Itapuí-SP Sandra Artioli na Inglaterra em Maio



"BRASIL * REINO UNIDO - MUSEUS E TURISMO"
Itapuí-SP presente na II Mostra Internacional de Arte Brasileira na Inglaterra, de 27 de Maio a 08 de Junho-Londres-UK. Prêmio ICSA Internacional da Cultura.

Última semana das inscrições. Inscreva-se até dia 20 de maio e participe!

Acesse www.seculoearte.art.br

sábado, 25 de abril de 2009

Queimada causa 19% do efeito estufa, diz estudo


Cálculo feito por grupo internacional é o 1º a estimar o peso do fogo no clima

Sudeste asiático e Amazônia lideram emissão por queima de floresta; evitar incêndios é forma mais rápida de mitigar o clima, diz físico

De Eduardo Geraque:

Deixar de queimar propositalmente as florestas tropicais, savanas e áreas agrícolas -como canaviais- pode baixar a contribuição da humanidade ao aquecimento global em 19%.

A cifra, publicada em um artigo de revisão na revista científica "Science" desta semana, escancara a importância das queimadas no fluxo de energia global. Os cientistas não sabiam que o fogo tinha tanta importância assim.

O físico da USP (Universidade de São Paulo) Paulo Artaxo conta que na estimativa, feita com o auxílio de modelos computacionais, entraram gás carbônico, metano e óxido nitroso -gases emitidos pela queima de biomassa que ajudam a aprisionar na atmosfera o calor irradiado pela Terra.

No contexto geral, segundo o registro via satélite anual das queimadas propositais, Brasil, Malásia e Indonésia são os países que mais precisam avançar em políticas públicas que controlem o fogo deliberado. "É a forma mais barata e mais rápida para controlar o aquecimento global", afirma Artaxo. Assinante do jornal leia mais em: Queimada causa 19% do efeito estufa, diz estudo

SP entra com ação para suspender proibição de queimadas de cana-de-açúcar


SÃO PAULO - A Secretaria Estadual do Meio Ambiente entrou com recurso junto ao Tribunal Regional Federal pedindo a suspensão da decisão que proíbe a queima da palha na região de Araraquara. A proibição foi determinada pelo juiz federal José Maurício Lourenço até que o Ibama faça o licenciamento ambiental de acordo com as regras do Conama, o Conselho Nacional do Meio Ambiente.

A decisão judicial proposta pelo Ministério Público Federal suspendeu todas as autorizações para a queima controlada da palha da cana de açúcar em 19 cidades, no dia 16 de março. Entre elas, Araraquara, Américo Brasiliense, Boa Esperança Do Sul, Gavião Peixoto, Matão, Motuca, Nova Europa, Rincão, Santa Lúcia e Trabijú, todas na região Central do Estado de São Paulo.

A indústria canavieira argumenta que, sem a queima da palha, a produtividade dos cortadores de cana cai pela metade.

A cana-de-açúcar cobre cerca de 4 milhões de hectares no estado de São Paulo. Em 2017, o governo paulista assinou protocolo de intenções com a União de Indústrias da Cana de Açúcar (Unica) para que as queimadas sejam eliminadas até 2014 nas chamadas 'áreas mecanizáveis'. O prazo previsto na Lei 11.241, estadual, era o fim das queimadas apenas em 2021. Em áreas 'não mecanizáveis' - com nível de inclinação acima de 12% - o prazo é 2017. Pela lei atual, 2031.

A Polícia Ambiental faz diariamente um monitoramento através do site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) . Quando o foco é constatado, uma equipe se dirige ao local para averiguação. Um boletim de ocorrência é registrado para investigar as causas.

Em caso de queima irregular, o responsável é obrigado a pagar uma multa com valor inicial de R$ 1,1 mil por hectare.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Lixo vegetal é reciclado e vira adubo em Curitiba


Sistema usa flores e folhas coletadas durante limpeza de parques.
Adubo produzido é usado em praças e canteiros da cidade.

Do G1, em São Paulo

Tamanho da letra

* A-
* A+

Ampliar Foto Foto: Valdecir Galor/SMCS Foto: Valdecir Galor/SMCS
Lixo vegetal vira adubo para ser usado em parques, praças e canteiros de Curitiba (Foto: Valdecir Galor/SMCS)

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Curitiba está utilizando folhas, galhos e flores, recolhidos dos parques e praças da cidade durante os serviços de limpeza, para produzir adubo orgânico que será usado na produção de flores e nos canteiros da cidade. A reciclagem é feita com resíduos vegetais nos principais parques e também no Horto Municipal.


Segundo a prefeitura, a iniciativa começou na sede da Secretaria do Meio Ambiente, onde foi instalada uma composteira, local onde o material orgânico recolhido é depositado até se transformar em adubo. O processo leva cerca de 120 dias e não precisa de manutenção constante - apenas regas quando o tempo fica muito seco.


saiba mais

*
Nova indústria vai reciclar lixo produzido em Curitiba
*
Coleta seletiva vai abranger todas as ruas de Porto Alegre, diz prefeitura

"Economizamos em adubos e transporte de material para o aterro sanitário", diz o gerente de praças da Secretaria, Jean Brasil. Além das vantagens econômicas, segundo ele, o adubo produzido por compostagem tem mais micro-organismos, repõe minerais e segura por mais tempo a umidade do solo.


No Parque Barigui, a estimativa é de que 200 metros cúbicos de lixo vegetal sejam recolhidos a cada 15 dias. Desse total, 20% viram adubo e o restante se decompõe completamente, de acordo com a prefeitura.


O sistema de compostagem é usado também nos parques Passeio Público, Bosque Alemão, Jardim Botânico, Parque Tingui e Horto Municipal. O adubo produzido nesses parques é suficiente também para uso em outras praças e pequenos jardins da cidade.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Serra compra 220 mil assinaturas da Abril


A cumplicidade entre os “barões da mídia” é algo impressionante. Primeiro, as blogs de Paulo Henrique Amorim e Luis Nassif, entre outros, revelaram que o governo de São Paulo comprou 220 mil assinaturas anuais da Revista Nova Escola, publicada pela Editora Abril – a mesma que produz a Veja, porta-voz dos tucanos e do “império do mal”. Na seqüência, a denúncia chegou ao Congresso Nacional num pronunciamento contundente do deputado Ivan Valente (PSOL-SP). Apesar da gravidade do assunto, que pode confirmar o conluio entre o presidenciável tucano e a revista de maior circulação no país, os jornalões e emissoras da televisão evitam abordar o caso.

No seu discurso, o deputado Ivan Valente informou que protocolou uma representação junto ao Ministério Público de São Paulo questionando o contrato firmado entre a Secretaria Estadual de Educação e a Fundação Victor Civita do Grupo Abril para a distribuição da revista Nova Escola aos docentes da rede oficial. Ele questiona o fato da milionária aquisição ter sido realizada sem licitação pública e do governo estadual ainda ter repassado à empresa privada os endereços dos professores, sem qualquer comunicado ou pedido de autorização dos mesmos, o que é ilegal.

Contrato de R$ 3,7 milhões

“Nenhuma consulta a respeito de qual publicação melhor atenderia às necessidades pedagógicas para o exercício de sua atividade profissional foi feita aos professores. Parece mais razoável que haja assinaturas de vários títulos de revistas, assegurando a maior pluralidade possível de pontos de vista no debate educacional e a livre escolha do professor... Cabe questionar também o porque do fornecimento do mesmo título para professores de diferentes séries e modalidades, que variam da primeira série do ensino fundamental à terceira do ensino médio. Esta opção deliberada desconsidera as particularidades dos profissionais de educação”, acrescentou o parlamentar.

Segundo a denúncia, o contrato representa quase 25% da tiragem total desta revista e garantiu à empresa R$ 3,7 milhões. “Este, porém, não é o único compromisso existente entre a Secretaria de Educação e o Grupo Abril. Outro absurdo, que merece ação urgente, é a proposta curricular que reduz o número de aulas de história, geografia e artes do ensino médio e obriga a inclusão de aulas baseadas em edições encalhadas do ‘Guia do Estudante’, também da Abril. Cada vez mais, a editora ocupa espaço nas escolas de São Paulo, tendo até mesmo publicações adotadas como material didático. Isso totaliza, hoje, cerca de R$ 10 milhões de recursos públicos destinados a esta instituição privada, considerado apenas o segundo semestre de 2008”.

Para Ivan Valente, o governo tucano tem uma “preferência deliberada pela editora contratada... São claros os indícios de crime contra a administração pública. A assinatura do contrato feriu os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade e eficiência, além do que feriu o princípio da supremacia do interesse público sobre o privado, na medida em que há benefícios para a Fundação Victor Civita e prejuízos aos cofres públicos. É isto que esperamos que o Ministério Público investigue, assim como solicitamos que tome as providências legais cabíveis para fazer cessar imediatamente o pagamento das próximas parcelas do contrato”.

Fonte: 3Setor / Blog do Miro.

Rebia realiza Plano de Capacitação de Jovens Jornalistas Ambientais


O Plano foi concebido para estudantes e novos jornalistas e profissionais da comunicação que estejam nas diversas universidades do Brasil e tenham interesse na temática do jornalismo ambiental.

Começa no dia 23 de abril e prossegue até o dia 20 de junho, a primeira edição do Plano de Capacitação de Jovens Jornalistas Ambientais. Promovido pela Rede Brasileira de Informações Ambientais (Rebia), com aporte da Fundação Avina, e em parceria com diversas entidades do jornalismo ambiental brasileiro e da América Latina, o plano reúne na plataforma virtual Taking IT Global (TIG) especialistas das mais diversas áreas para discutir com jovens estudantes de jornalismo a importância da comunicação e a temática ambiental. Para participar da capacitação, será escolhido um grupo de 30 alunos dos mais diversos centros universitários do país.

Centrando no debate sobre a questão da informação e da participação da sociedade na tomada das decisões ambientais, o plano tem, entre seus objetivos, constituir uma plataforma de intenso intercâmbio de experiência entre profissionais de comunicação e da temática ambiental, articulando estreitamente com eventos em que o jornalismo ambiental esteja presente, além de proporcionar aos jovens participantes uma melhor percepção e formação na temática ambiental. O plano ainda tem como meta sensibilizar os jovens sobre a importância do trabalho da comunicação juntos às ONGs ambientais.

A proposta é ajudar a formar uma Rede de Colaboradores e Jornalistas Voluntários que, a convite e a expensas de organizações do Terceiro Setor que atuam no setor socioambiental, e que enfrentam o bloqueio da mídia tradicional, possam produzir matérias e imagens de qualidade voluntariamente. A REBIA se compromete a distribuir gratuitamente o material, com os créditos para seus autores, através da Agência REBIA de Notícias Socioambientais, distribuído para mais de 30.000 leitores cadastros, entre os quais muitos pauteiros e editores de mídias, e também através dos seus veículos, www.portaldomeioambiente.org.br e Revista do Meio Ambiente.

O Plano de Capacitação de Jovens Jornalistas Ambientais foi concebido para estudantes e novos jornalistas e profissionais da comunicação que estejam nas diversas universidades do Brasil e tenham interesse na temática do jornalismo ambiental. A partir da combinação de contatos virtuais e encontros presenciais entre os profissionais do meio ambiente e do jornalismo ambiental, serão realizados webconferências para o processo de capacitação dos jovens jornalistas.

As inscrições são gratuitas e para participar, os estudantes de jornalismo devem ler a Chamada para Inscrições e preencher a Ficha de Inscrição do Plano. Os melhores produtos jornalísticos produzidos durante a capacitação serão divulgados em sites nacionais que são parceiros do projeto. O plano é coordenado por Efraim Neto, jornalista e moderador da Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental.


Para maiores informações:

Efraim Neto – efraimneto@rebia.org.br ou efraimneto@gmail.com (MSN)
Skype – efraim.neto - Cell. (71) 8895-5010

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Alunos aprendem preservação ambiental fora de sala de aula


Na última semana, alunos de Escolas Municipais de Ensino Fundamental (EMEFs) de período integral da cidade aprenderam na prática a importância da preservação ambiental visitando o Zoológico e o Zôo Safári, na capital paulista. O projeto faz parte do Criança Ecológica, ação do governo estadual que conta com o apoio das secretarias da Educação e de Meio Ambiente da Prefeitura de São Caetano.
As participativas aulas do projeto tiveram como tema a fauna. Por isso, as crianças de São Caetano conheceram todas as atividades do Bicho Legal, espaço de educação localizado dentro do Zôo Safári que conta, entre outras coisas, com diferentes biomas brasileiros.
Os pequenos estudantes, entre 8 e 11 anos, mostraram grande interesse em conhecer um pouco mais sobre os diferentes biomas brasileiros. Para o secretário de Meio Ambiente de São Caetano, Osvaldo Aparecido Ceoldo, o projeto Criança Ecológica "é um avanço na forma de se tratar a Educação Ambiental", destacou.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Plataforma de gelo 8 vezes maior que a cidade de São Paulo se descola da Antártida


Foi a crônica de uma morte anunciada. Um satélite europeu flagrou no fim de semana o rompimento da ponte de gelo que prendia uma plataforma de gelo no oeste da Antártida.

Agora é uma questão de tempo até que essa estrutura, a plataforma Wilkins, oito vezes maior que a cidade de São Paulo, termine de se esfacelar. Cortesia do aquecimento global.

O colapso vinha sendo monitorado em tempo real pelo satélite Envisat, da Agência Espacial Europeia, nas últimas semanas. A ponte de gelo, de 40 km de extensão por até 2,5 km de largura, se esfacelou entre sábado e domingo.

"Do dia para a noite a região explodiu com icebergs", disse o glaciologista David Vaughan, do Serviço Antártico britânico, à rede BBC.

Vaughan e seus colegas acreditavam que esse língua de gelo, que ligava a plataforma à ilha Charcot, fosse a única coisa impedindo a Wilkins de colapsar.

No ano passado, os britânicos descobriram que a plataforma já havia perdido cerca de 15% de seus 16.000 km2 de extensão original.

No final dos anos 1990, Vaughan estimara que a estrutura glacial fosse levar 30 anos para desaparecer.

A plataforma vinha se mantendo estável pelo menos desde os anos 1930 e, possivelmente, ao longo dos últimos 1.500 anos. Sua quebra é apenas o drama mais recente provocado pela elevação das temperaturas da península Antártica, região que tem vivido um aquecimento sem precedentes nos últimos 50 anos --de até 3C, contra 0,7C da média global em todo o século 20.

A Wilkins se junta agora às outras cinco plataformas de gelo extintas na península nesse período. A mais famosa delas, a Larsen-B, foi também a primeira a ter seu esfacelamento acompanhado por satélites, em tempo real, em 2002.

"A próxima a ir é a Larsen-C, daqui a alguns anos", disse à Folha o glaciologista Jefferson Simões, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O colapso dessas plataformas -bancos de gelo flutuantes presos ao continente-- não tem impacto imediato sobre o nível do mar. No entanto, essas estruturas servem de "barragem" ao escoamento de geleiras continentais, cujo escorregão pode, este sim, elevar o oceano.

A tragédia com a Wilkins aconteceu exatamente na véspera da conferência que marca os 50 anos do Tratado da Antártida. Abrindo o evento ontem, em Washington, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, afirmou que o colapso é um lembrete "de que o aquecimento global já teve efeitos enormes no nosso planeta e que não temos tempo a perder para atacar essa crise".

Mas em Bonn, Alemanha, onde um encontro das Nações Unidas deveria começar a resolver essa crise, a diplomacia americana agiu no sentido oposto, com cautela em vez de pressa.

Fonte: Folha Online / REBIA Nacional.

sábado, 11 de abril de 2009

Escassez de água é um problema cada vez maior


A ONU alerta que é preciso agir com urgência, caso se queira evitar uma crise global de abastecimento de água.

A Austrália enfrenta uma seca que já dura dez anos. O Brasil e a África do Sul, que dependem da energia hidrelétrica, vêm sofrendo repetidos “apagões”, uma vez que não há água suficiente para alimentar suas hidrelétricas de forma adequada.

A Economist ressalta, no entanto, que há uma diferença entre a escassez local, causada por casos de má gestão ou por problemas regionais, e a crise global de água, que tende a afetar rios e lagos, além do fornecimento de alimentos e de outras mercadorias. Existe realmente um problema mundial?

Em 2000, a média global de uso de água potável foi de 9% do total do ciclo hidrológico. A Economist diz que, com base nesta evidência, todos os problemas da água aparentemente são locais. No entanto, não se sabe ao certo a quantidade de água que os seres humanos podem utilizar com segurança. Isto depende de como ela é devolvida ao sistema, da quantidade que é retirada de aquíferos subterrâneos, e assim por diante.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Marina: jovens vão entregar a Lula "carta de compromissos" com o planeta


A senadora Marina Silva (PT-AC) informou ao Plenário que centenas de jovens participarão nesta terça-feira (7) de uma caminhada pela Esplanada dos Ministérios, em Brasília, sendo recebidos depois pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Eles entregarão ao presidente uma "carta de compromissos" com o planeta, sem apresentar reivindicações ao governo.

Os jovens são participantes da 3ª Conferência Infanto-Juvenil de Meio Ambiente, que começou no sábado (4) na cidade de Luziânia (GO), distante 40 quilômetros de Brasília. A senadora enalteceu a decisão dos jovens de dizer o que farão pelo meio ambiente e lamentou que, mesmo "tendo poder e ferramentas", poucas pessoas se comprometem com as causas do meio ambiente.

Marina Silva lembrou que a 1ª Conferência Infanto-Juvenil de Meio Ambiente foi idealizada à época em que ocupava o cargo de ministra do Meio Ambiente. O Ministério da Educação passou então a realizar as conferências, com o apoio do Ministério Meio Ambiente. A senadora explicou que o encontro final é precedido de debates e discussões sobre o assunto em escolas de mais de 4 mil municípios. Nesses seis anos, as conferências envolveram cerca de 11 milhões de crianças e jovens.

Em aparte, o senador João Pedro (PT-AM) cumprimentou a senadora por ter recebido o Prêmio Sofia, entregue pela Fundação Sofia, da Noruega, por sua luta em defesa da Floresta Amazônica.

A senadora disse que o prêmio é um reconhecimento aos programas que ela e sua equipe implantaram durante sua gestão no Ministério do Meio Ambiente. Citou, entre os programas, a criação de 24 milhões de hectares de unidades de conservação, o combate ao desmatamento e às queimadas, o incentivo à exploração sustentável da floresta, o Plano Nacional de Recursos Hídricos e a criação do Serviço Florestal Brasileiro. Ela também foi cumprimentada pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP).
Da Redação / Agência Senado

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Ibama lança campanha ambiental na mídia


Em comemoração aos seus 20 anos de criação, o Ibama lançou campanha educativa com um filme publicitário de 30” e três spots (anúncios para rádio), que tem como slogan “Cuidar do meio ambiente todo mundo pode”. Em todo o país, os cidadãos estão assistindo ao filme e ouvindo os anúncios, pois emissoras de TV e de rádio já iniciaram a veiculação da campanha em horário destinado à utilidade pública.

As peças da campanha estão disponíveis no site www.ibama.gov.br/sala-imprensa/documentos/videos. Os spots estão com o nome Spot - Campanha Educativa - Ibama 20 anos - Tema: Água, Spot - Campanha Educativa - Ibama 20 anos - Tema: Madeira Legal, Spot - Campanha Educativa - Ibama 20 anos - Tema: Poluição, e, o vídeo, Campanha 20 anos Ibama - “Todo mundo pode”. Eles podem ser utilizados gratuitamente por qualquer emissora de televisão ou de rádio e também por qualquer interessado.

A campanha é uma criação da agência Propeg, contratada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República - Secom. O objetivo da ação é conscientizar a população para a prática de ações sustentáveis no dia-a-dia, mostrando que pequenas mudanças de atitude ajudam a melhorar a qualidade de vida.

O filme, feito em animação digital, mostra pessoas como super-heróis no combate ao desmatamento da floresta, à poluição dos rios e à do ar. Depois, indica ações que cidadãos comuns podem ter, como comprar madeira legal, evitar o desperdício de água e regular o carro. Apesar de simples, são medidas fundamentais no cuidado com o meio ambiente. “Adotamos uma linguagem lúdica, fantasiosa e divertida para chamar a atenção das gerações mais novas para um problema muito sério, que diz respeito ao futuro do planeta e à preservação dos recursos naturais”, resume o diretor de criação da Propeg, Cláudio Leite.

Os três spots também têm duração de 30” cada um. Eles seguem a mesma linha do filme ao mostrar que, sozinho, o cidadão não consegue acabar com o desmatamento, com a poluição dos rios ou do ar, mas pode, com pequenas atitudes, evitar o desperdício de água limpa, diminuir emissão de gases poluentes e comprar madeira legal.

Em um deles, aparece a conversa entre mãe e o filho que está há mais de dez minutos no chuveiro. Ele tenta prolongar o banho. Ela responde que “desse jeito o futuro do planeta acaba escorrendo pelo ralo”.

No outro spot, o atendente da Madeireira Corta Tudo faz uma oferta, prontamente negada pelo cidadão que buscava orçamento para sua obra e queria comprar madeira legal. “Olha, chefia, tem uma opção que você paga menos…” O comprador reage: “sei, sei, eu pago menos agora e os meus filhos pagam mais depois”.

No último anúncio, quem tenta dar um “jeitinho” é o dono de um carro que está na oficina. O mecânico avisa da necessidade de troca de algumas peças, pois o carro está poluindo muito. “Se o carro tá andando, fica do jeito que está”, responde o dono, que ouve do mecânico indignado: “e como fica o planeta quando o efeito estufa aumentar?”.

O Ibama é o órgão federal responsável pela fiscalização, proteção e qualidade ambiental, licenciamento e autorização de uso dos recursos naturais, e, dentre suas atribuições, está a educação ambiental.

Para mais informações:

Assessoria de Comunicação do Ibama

(61) 3316-1015

ascom.sede@ibama.gov.br

Mestres apontam greve nacional para dia 24


Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação decidiu que a categoria dos professores deverá fazer greve nacional no próximo dia 24 de abril.

A paralisação deverá ser de apenas 24 horas. O ato será um protesto pelo não cumprimento do piso salarial nacional aprovado em lei, que é de R$ 950 para professores.

Três governadores estão entre os principais alvos do movimento grevista. São eles: José Serra, de São Paulo; Aércio Neves, de Minas Gerais; e Yeda Crusius, do Rio Grande do Sul.

A razão disto é que são os governadores que mais se opõe a pagar aos professores o valor estabelecido pela lei nacional. (pulsar/Chasque)

terça-feira, 31 de março de 2009

Máquinas caça-níqueis: megaoperação em Jaú prende suspeitos Esquema de contrabando de peças de caças-níqueis e sua exploração contava com a corrupção


Máquinas caça-níqueis: megaoperação em Jaú prende suspeitos

Esquema de contrabando de peças de caças-níqueis e sua exploração contava com a corrupção e apoio de policiais civis

Após um ano de investigações do núcleo do GAECO em Bauru, do Ministério Público do Estado de São Paulo, da Procuradoria da República em Jaú, do Ministério Público Federal, e da Polícia Federal de Bauru, a Justiça Federal decretou as prisões de 33 pessoas, que estão sendo cumpridas hoje em operação policial, na qual também são realizadas inúmeras buscase apreensões nas casas dos acusados e em escritórios de advocacia.
As ordens foram expedidas pela Justiça Federal de Jaú, nos municípios de Jaú, Rio Claro, Bauru e São Paulo. A Justiça determinou também a exoneração do Delegado Seccional de Jaú.
A operação foi deflagrada em virtude de ação penal proposta em conjunto pelo GAECO/Bauru e pelo MPF-Jaú, contra 52 pessoas. Enquanto parte dos acusados responde por formarem uma quadrilha para a exploração ilegal de caça-níqueis montados com componentes contrabandeados, mediante a corrupção de agentes públicos, entre eles três Delegados de Polícia (o ex-diretor do Deinter de Bauru, o Delegado Seccional de Polícia de Jaú e um delegado de Rio Claro), seis investigadores, um agente policial e um policial militar, que respondem por formação de quadrilha, corrupção passiva, facilitação de contrabando e prevaricação.
As investigações começaram em virtude da falta de repressão, por parte da Polícia Civil de Jaú, da exploração ilegal de máquinas caça-níqueis no município e região, que passaram, então, a ser realizadas pelo Ministério Público, com apoio da PM, da PF, da Receita Federal e da Prefeitura Municipal de Jaú.
Em seu curso, todavia, descobriu-se a existência de quatro grupos criminosos desse ramo, contando com respaldo de Policiais Civis e umPolicial Militar em torno de um verdadeiro estratagema criminoso, consumado desde 2006.
O grupo de Jaú, que entregava e explorava as máquinas, era associado a outro, composto também por advogados, com base em Rio Claro, que importava as máquinas com as peças contrabandeadas.

COLETIVA - Hoje, às 14h, na sede da Associação Paulista do Ministério Público em Bauru, acontecerá entrevista coletiva sobre a operação. Endereço: Rua Silva Jardim, 2-17, Bela Vista, Bauru/SP.
Participarão da entrevista o procurador da República em Jaú, Marcos Salati, e os promotores do GAECO Rafael Abujamra e Luciano Gomes Queiroz Coutinho e o delegado da Polícia Federal de Bauru, Antonio Vaz de Oliveira. Leia no anexo a íntegra da nota conjunta do MPF e do MP-SP sobre aoperação em Jaú:http://www.prsp.mpf.gov.br/cidadania/infoprdc/notaoficialopjau.pdf
Assessoria de Comunicação Procuradoria da República no Estado de S. Paulo
Mais informações à imprensa: Marcelo Oliveira11-3269-5068 ascom@prsp.mpf.gov.br

sexta-feira, 27 de março de 2009

Fórum de Mídia Livre do Sul Fluminense faz seu 1º encontro pró conferência de comunicação


O presidente Lula anunciou, no Fórum Social Mundial, a realização da I Conferência Nacional de Comunicação, uma antiga luta do Movimento pela Democratização da Comunicação. O decreto presidencial oficializando a convocação da Conferência é esperado para breve. Ele deverá ser seguido por portaria regulamentadora do Ministério das Comunicações, que detalhará calendário, etapas, organização e critérios de participação na Conferência. Entretanto, há uma proposta de calendário indicando que as etapas municipais e/ou regionais deverão acontecer até 22/06/2009, as estaduais até 15 de setembro e a nacional em dezembro (1, 2 e 3/12/2009).

A Conferência deverá ter caráter amplo e democrático, abrangendo representações do governo, da sociedade civil e empresários. Ela será nacional, mas deverá contemplar, no mínimo, etapas regionais e estaduais, quando haverá discussão do tema, apresentação de propostas e eleição de delegados. Os objetivos do evento são, dentre outros, identificar os principais desafios relativos ao setor da comunicação no Brasil, fazer um balanço das ações do Poder Público na área e propor diretrizes para as políticas públicas de comunicação.

Extremamente concentrada e tratada como mercadoria, na imensa maioria das vezes a serviço da ideologia dominante, a comunicação de massa tem sido utilizada freqüentemente como instrumento de criminalização dos movimentos sociais. Cresce, entretanto, a defesa da Comunicação como direito humano, principalmente no tocante à soberania nacional, liberdade de expressão, inclusão social, diversidade cultural e religiosa, questões de gênero, raça e opção sexual, convergência tecnológica e a regionalização da produção.

Há quase dois anos funciona a Comissão Nacional Pró-Conferência de Comunicação, com representantes de várias entidades e movimentos nacionais da sociedade civil organizada. Aqui no RJ, funciona desde o primeiro semestre de 2008 uma Comissão RJ Pró-Conferência, composta por entidades e movimentos fluminenses. É urgente e necessária a criação de uma Comissão Pró-Conferência da Região Sul Fluminense.

Até a realização das etapas da Conferência, caberá aos movimentos sociais organizados conscientizar e mobilizar a população sobre a sua importância. Esse processo, para ter sucesso, deverá envolver muito além dos profissionais e entidades ligadas à Comunicação. Ele precisará contar com a participação efetiva do conjunto da sociedade civil organizada, a maior interessada na democratização da Comunicação no país.

É com esse objetivo que convidamos a sua entidade a participar e apoiar a divulgação da reunião, promovida pelo Fórum de Mídia Livre do Sul Fluminense, que pretende reunir profissionais de Comunicação, rádios e outros veículos de comunicação comunitários e alternativos, representantes de movimentos populares, sindicais, estudantis, culturais e sociedade civil em geral da Região Sul Fluminense, e acontecerá no próximo dia 28 de março de 2009, sábado, das 14 às 18 horas, no Plenário da Câmara Municipal de Volta Redonda, sito à Avenida Lucas Evangelista, Aterrado.

Programação:

14 h - Recepção e credenciamento

14h30 - Painel: Conferência Nacional de Comunicação: o que é, quem participa e importância

Expositores: Membros da Comissão Pró-Conferência Nacional de Comunicação do RJ

15h30 - Esclarecimentos e debate

16h15 – Café

16h30 - Plenária: Mobilização dos movimentos sociais, calendário de atividades, Conferência Regional e organização da Comissão Pró-Conferência de Comunicação do Sul Fluminense

18h00 - Encerramento

Cordialmente, Fórum de Mídia Livre do Sul Fluminense

Contatos e mais informações pelo e-mail midiainsana@gmail.com ou pelos telefones (24) 8802-5565 - José Roberto (Maninho); (24) – 9976-7742 - Leslie; (24) 9828-1840 - Lívia; (24) 9918-2329 – Alvaro Britto.





Fonte: Blog Mídia Insana.

Projetos sustentáveis


Formado por seis universidades brasileiras, o Consórcio Brasil representará o país no Solar Decathlon Europe, competição universitária de construção de casas energeticamente auto-sustentáveis que será realizada em 2010.

Integrantes das universidades de São Paulo (USP), Estadual de Campinas (Unicamp) e as federais do Rio de Janeiro (URFJ), Minas Gerais (UFMG), Santa Catarina (UFCS) e do Rio Grande do Sul (UFRGS) decidiram unir forças para se tornarem mais competitivos no evento que será organizado pela Escola Politécnica de Madri, na Espanha.

Para montar o projeto ideal, o consórcio fez um concurso interno, em que estudantes de arquitetura das seis universidades apresentaram projetos. O júri foi composto de professores das universidades brasileiras e representantes da Politécnica de Madri, entre eles o vice-reitor de Relações Internacionais Jose Manuel Páez. Foram escolhidos os projetos de alunos da UFSC, Unicamp e UFRGS como os três melhores.

Os projetos contemplam áreas como arquitetura, engenharia elétrica, civil e de materiais e iluminação e marketing. “Não se trata apenas de fazer uma casa sustentável, mas de pensar nela como algo que pode ser reproduzido facilmente na sociedade”, disse Adnei Meleges de Andrade, professor do Instituto de Eletrotécnica e Engenharia e responsável pelo consórcio na USP, ao USP Online.

O Solar Decathlon foi criado pelo Departamento de Energia do governo norte-americano, em 2002, e a próxima edição será realizada em outubro, em Washington. A edição na Europa será a primeira fora dos Estados Unidos.

O decatlo solar tem dez critérios de avaliação, cada um com pontuações diferenciadas. Além das questões arquitetônica e de engenharia, contam pontos as instalações, balanço de energia, condições de conforto, funcionamento de equipamentos, inovação e sustentabilidade.

Comunicação, marketing, sensibilização social, industrialização e comercialização também são importantes, pois o projeto deve ser comercializável.

Mais informações: www.solardecathlon.org

quarta-feira, 25 de março de 2009

São Paulo se junta à Hora do Planeta



A maior cidade da América Latina confirmou sua participação na Hora do Planeta 2009. No dia 28 de março, entre 20h30 e 21h30, serão apagadas as luzes da Ponte Estaiada, Monumento às Bandeiras, Viaduto do Chá, Teatro Municipal, estádio do Pacaembu, Obelisco e Parque do Ibirapuera durante ato simbólico contra o aquecimento global.

Além dos monumentos públicos, instituições da cidade como o Edifício Copan, o Instituto Butantan, o estádio do Morumbi e o Museu de Arte Moderna também aderiram e irão apagar as suas luzes externas no próximo dia 28 de março, bem como prédios comerciais como World Trade Center, o Sheraton Hotel e a sede da Vivo.
Mais duas capitais amazônicas confirmam adesão
Além de São Paulo, Rio Branco e Belém também se juntaram à Hora do Planeta. No dia 28 de março, importantes pontos das duas cidades amazônicas terão suas luzes apagadas das 20h30 às 21h30 (hora local). Assim, a Hora do Planeta no Brasil vai abarcar dois fusos horários.

Pirâmides voltam aos tempos dos faraós: iluminação será apagada
Os egípcios anunciaram adesão à Hora do Planeta e irão apagar as luzes das grandes Pirâmides de Giza e da Esfinge.

Outros importantes monumentos ancestrais como a Torre de Cairo e a Biblioteca de Alexandria também serão apagados. A grandeza dos monumentos representa a força da ação coletiva que cresce a cada dia.
Brasil
Grupo de shoppings reforça a mobilização
Primeiro foi o Conjunto Nacional, em Brasília (DF), agora outros dez shoppings centers da mesma rede, a Ancar Ivanhoé, uma das maiores administradoras do ramo no país, vão reforçar a mobilização durante a Hora do Planeta. Sediados em sete cidades - Rio de Janeiro (RJ), São Gonçalo (RJ), São Paulo (SP), São José dos Campos (SP), Cuiabá (MT), Brasília (DF) e Natal (RN) - os 11 shoppings vão apagar suas fachadas parcial ou totalmente no próximo dia 28 e divulgar filmes e spots da Hora do Planeta.

domingo, 15 de março de 2009

Quais as 30 maiores inovações dos últimos 30 anos?


O programa de televisão norte-americano Nightly Business Report e a Universidade de Wharton fizeram um levantamento das 30 maiores inovações dos últimos 30 anos. Um juri formado por oito pessoas recebeu uma lista com 1200 sugestões para selecionar e organizar em ordem de importância as 30 inovações.

A internet foi a primeira colocada na decisão dos jurados. O Brasil ficou representado na lista pelos biocombustíveis, na 25ª posição.

Abaixo, a relação completa:

1. Internet, banda larga, WWW (browser e html)
2. Computadores PC/laptop
3. Telefone Celular
4. E-mail
5. Teste e sequenciamento de DNA/Mapeamento do genoma humano
6. Geração de imagem através de Ressonancia Magnética
7. Microprocessadores
8. Fibra Ótica
9. Softwares de Escritório (planilhas e processadores de texto)
10. Laser não invasivo/Cirurgia Robótica (Laparoscopia)
11. Softwares e serviços open-source (código aberto) (ex: Linux, Wikipedia)
12. LED (Diodo de Emissão de Luz)
13. LCD (Display de cristal liquido)
14. Sistema GPS
15. Vendas Online/e-commerce/leilões virtuais
16. Compressão de arquivos de mídia (jpeg, mpeg, mp3)
17. Microfinanças/microcrédito
18. Energia Solar Fotovoltaica
19. Turbinas de vento para grande escala
20. Redes Sociais pela internet
21. Interface gráfica do usuário (GUI)
22. Fotografia/Videografia Digital
23. Identificação por Rádio Frequência (RFID) e aplicações (ex: EZ Pass)
24. Plantas Geneticamente Modificadas
25. Biocombustíveis
26. Códigos de barras e Scanners
27. Caixa Eletrônico
28. Stent (endoprótese para desentupimento das artérias)
29. Memória SRAM (Memória Estática de Acesso Aleatório)
30. Tratamentos Anti-Retrovirais para AIDS

Fonte: http://www.opiniaoenoticia.com.br

quinta-feira, 12 de março de 2009

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO


PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPUÍ

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS Nº 01/2009

ABERTURA DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS.

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ITAPUÍ, Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais, faz saber que fará realizar neste Município, através da empresa Ômega Consultoria e Planejamento Ltda, no período de 10 a 27 de março de 2009 das 0900 às 1500 horas, com supervisão da Comissão nomeada pelo Decreto n° 2.401 de 02 de março de 2009, INSCRIÇÃO para Concurso Público para preenchimento de EMPREGOS EXISTENTES conforme descrição constante do item 2 – DOS EMPREGOS, do presente Edital.

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
1.1 O presente concurso destina-se ao preenchimento de empregos vagos, de acordo com o constante da tabela do item 2- DOS EMPREGOS, mais os que vagarem e ou forem criados durante o prazo de validade do Concurso.
1.2 O Concurso, para todos os efeitos, tem validade de dois anos a partir da data da homologação, que será publicada no Diário Oficial do Estado, podendo ser prorrogado por igual período.
1.3 A divulgação de todas as fases do concurso será divulgada através do quadro de editais da Prefeitura Municipal de Itapuí, na Câmara de Vereadores de Itapuí, no site www.omegaitu.com.br e no jornal Candeia da cidade de Bariri. É de inteira responsabilidade do candidato, acompanhar as divulgações do concurso
1.4 A classificação no presente concurso não gera aos candidatos direito a contratação para os EMPREGOS, cabendo a Prefeitura Municipal de Itapuí o direito de aproveitar os candidatos habilitados em número estritamente necessários, não havendo obrigatoriedade de nomeação de todos os candidatos habilitados, respeitados, sempre a ordem de classificação no concurso, bem como não lhe garante escolha do local do trabalho.
1.5 Os candidatos aprovados em todas as fases, e nomeados, estarão sujeitos ao que dispõe a Consolidação das Leis do Trabalho, bem como as legislações federais, estaduais e municipais pertinentes, e às presentes instruções especiais.

2 – DOS EMPREGOS

EMPREGO VAGAS REQUISITO/ESCOLARIDADE CARGA/HOR/SEMANAL SALÁRIO
R$
Geral Defic. Total
MÉDICO - PSF 03 00 03 SUPERIOR EM MÉDICINA E REGISTRO NO ORGÃO 40 6.000,00
DENTISTA - PSF 03 00 03 SUPERIOR EM ODONTOLOGIA E REGISTRO NO ORGÃO 40 2.000,00
ENFERMEIRO - PSF 02 00 02 SUPERIOR EM ENFERMAGEM E REGISTRO NO ORGÃO 40 1.461,61
TÉCNICO DE ENFERMAGEM 09 01 10 ENSINO MÉDIO COM CURSO TÉCNICO 40 613,41
MÉDICO PLANTONISTA 03 00 03 SUPERIOR EM MEDICINA E REGISTRO NO ORGÃO 12 1.461,61
AGENTE DE COMBATE AS ENDEMIAS 03 00 03 ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO 40 465,00
AUXILIAR DE CONSULTÓRIO DENTÁRIO - ACD
06
01
07
ENSINO MÉDIO COMPLETO 40 465,00
PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 02 00 02 SUPERIOR EM EDUCAÇÃO FÍSICA E REGISTRO NO ORGÃO 40 850,77
MERENDEIRA 03 00 03 ENSINO FUNDAMENTAL INCOMPLETO 44 470,18
FARMACÊUTICO 01 00 01 SUPERIOR EM FARMÁCIA E REGISTRO NO ORGÃO 20 1.461,61
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO 03 00 03 ENSINO FUNDAMENTAL COMPLETO 40 470,18
ESCRITURÁRIO 01 00 01 ENSINO MÉDIO COMPLETO 40 1.235,16
MÉDICO PSIQUIATRA 01 00 01 SUPERIOR EM ESPECIALIZAÇÃO NA ÁREA E REGISTRO NO ORGÃO 24 1.461,61
OPERADOR DE RAIO X 01 00 01 ENSINO MÉDICO COM CURSO TÉCNICO EM RAIO X 30 649,28

2.1 Além do salário descrito no quadro acima haverá as vantagens salariais garantidas pela Lei 2.227/2007.
2.2 A Descrição dos EMPREGOS, e a bibliografia e/ou programa de provas, encontram-se dispostos nos Anexos I e II, que fazem parte integrante e inseparável deste Edital.
2.3 Regime: Celetista

3- DOS REQUISITOS BÁSICOS
3.1 REQUISITOS GERAIS PARA INSCRIÇÃO
a) Ser brasileiro nato ou naturalizado e no caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos direitos políticos, na forma do disposto no Artigo 13, do Decreto N.º 70.436/72;
b) Ter 18 anos completos na data da inscrição;
c) Estar quite com as obrigações militares, se do sexo masculino;
3.2 REQUISITOS GERAIS PARA ADMISSÃO
a) Ter bons antecedentes, achando-se em pleno exercício de seus direitos civis, políticos e eleitorais, bem como nada ter que o desabone ou que o torne incompatível com o desempenho de suas funções;
b) Possuir CPF (Cadastro das Pessoas Físicas) atualizado;
c) Gozar de boa saúde física e mental e não ser portador de deficiência incompatível com o exercício das funções que competem ao EMPREGO;
d) Não ter sofrido, no exercício de função pública, penalidade por prática de atos desabonadores;
e) Não ser aposentado por invalidez e nem estar com idade de aposentadoria compulsória nos termos do Artigo 40 inciso II da Constituição Federal;
f) Possuir o Pré-requisito exigido para o EMPREGO ao qual se candidatou de acordo com a tabela DOS EMPREGOS acima.
g) Não exercer qualquer emprego ou função pública de acumulação proibida com o exercício do novo EMPREGO;
h) Conhecer e estar de acordo com as normas e exigências do presente edital.
3.3 A comprovação da documentação hábil de que os candidatos possuem os requisitos aqui exigidos para o Concurso, será solicitada por ocasião da contratação para o EMPREGO e a não apresentação de qualquer dos documentos implicará na impossibilidade de aproveitamento do candidato em decorrência de sua habilitação no Concurso, anulando-se todos os atos decorrentes de sua inscrição.

Fonte: http://www.omegaitu.com.br/

quarta-feira, 11 de março de 2009

Meio ambiente vai contratar 2 mil servidores


O Ministério do Meio Ambiente (MMA) anunciou, na última semana, que pretende contratar 2 mil novos funcionários para seu quadro de servidores. Segundo informações do Ministério, o objetivo das contratações é “fechar o cerco ao desmatamento na Amazônia”.

As oportunidades serão distribuídas entre os cargos de fiscal ambiental e policial federal – 1 mil para cada. Os servidores irão atuar exclusivamente na região amazônica, no combate aos crimes ambientais. Ainda segundo o órgão, dos contratados para a área ambiental, 450 irão trabalhar no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e 550 serão lotados no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O Ministério já recebeu autorização para começar a trabalhar nos editais, que devem ser publicados em breve. O ministro afirma que as vagas não serão criadas, e sim remanejadas. “Haverá um remanejamento das vagas já existentes, concentradas nesse esforço”, disse Minc.

Além dos servidores, o Ministério adotará outras medidas para o combate de crimes ambientais, como a utilização de aeronaves que fiscalizarão as áreas indicadas pelos satélites e convocação da Força Nacional, caso haja necessidade.

Anteriores

Recentemente, o Ibama realizou concurso para preencher vagas efetivas de analista ambiental. O edital, lançado em novembro do ano passado, oferecia 225 vagas para candidatos com nível superior em qualquer área. O salário inicial era de R$ 4.115,37.

As provas constaram de questões de múltipla escolha nas disciplinas de Português e Informática, conhecimentos gerais e específicos.






Fonte: Portal REMADE / Gazeta.

segunda-feira, 9 de março de 2009

São Paulo sediará a Ambiental Expo 2009


Meio Ambiente - A Ambiental Expo acontece de 30 de junho a 2 de julho de 2009 e apresentará sistemas, soluções, inovações e tendências para empresas e governos no que se refere ao setor de Saneamento e Meio Ambiente.

Evento servirá como plataforma para o encontro entre empresas do setor, investidores nacionais e internacionais, entidades governamentais e prestadores de serviço

A primeira edição da AmbientalExpo 2009 (Feira Internacional de Soluções para Saneamento e Meio Ambiente), versão latino-americana da consagrada Pollutec (França), maior evento de meio ambiente do mundo conquistou o patrocínio de importantes empresas: SABESP e ODEBRECHT, que adquiriram as cotas Diamante, e da COMGÁS, com a cota Ouro.

A Feira conta ainda com o apoio dos governos Federal, Estadual e Municipal, sendo o centro gerador de negócios, conhecimento e relacionamento mais relevante da América Latina.

"A participação dessas empresas como patrocinadores, bem como de nossos apoiadores, demonstra a confiança no evento e na Reed Exhibitions Alcantara Machado como geradora de negócios. Além disso, essas empresas tem um alto comprometimento com áreas de saneamento e energia e com certeza a feira será uma excelente ferramenta de marketing para divulgar suas ações relacionadas ao meio ambiente", comenta Paulo Rezende, Diretor de Marketing da promotora.

Organizada e promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, a Ambiental Expo abrange seis importantes setores: Ar, Saneamento, Solo, Ruído, Resíduos e Energia. Simultaneamente à Feira haverá um Congresso, com temas focados nas normas e regulamentações que auxiliarão a tomada de decisão e criarão novas formas de cooperação entre governo, empresas privadas e a sociedade.



Editoria: Vininha F.Carvalho - diretora da Del Valle Editoria

Editora do Portal Revista Ecotour...www.revistaecotour.com.br

Contato: vininha@vininha.com

quinta-feira, 5 de março de 2009

Luz para Todos bancará energia renovável


Para estimular implantação de eletricidade alternativa em local isolado, programa pagará até 85% dos custos das concessionárias nessa área

Dayane Souza

Energia solar, eólica ou gerada por gás natural poderão ser a solução para levar iluminação até casas isoladas no interior da Amazônia ou do Pantanal. Para incentivar o uso dessas formas alternativas de energia, o Programa Luz para Todos, do governo federal, vai pagar até 85% dos custos das companhias de energia, na implementação de projetos na área.

A verba do programa ajudará na implantação da estrutura e a empresa será responsável pelo serviço de energia e pela cobrança de taxas. “O objetivo é fazer com que as concessionárias de energia percam o medo que têm de trabalhar com novas fontes de energia”, diz o diretor do Luz para Todos, Hélio Shinoda. Ele afirma que as empresas relutam em investir na área com medo de prejuízos e que, com o financiamento dado pelo programa, serão reduzidos os riscos desses investimentos. Shinoda reconhece que o dinheiro destinado pelo Luz para Todos não é garantia de sucesso, mas diz que o investimento é a única forma de testar a aplicabilidade das novas fontes.

Para o diretor, fontes alternativas de energia podem ser a saída para comunidades que ficam muito distantes das redes de energia elétrica. “Expandir a rede em 100 quilômetros para atingir uma região em que moram dez famílias seria muito oneroso”, afirma. A localização dispersa das comunidades nesses territórios, em especial na Amazônia, são a principal dificuldade, ressalta ele.

No Manual de Projetos Especiais, que dá as novas diretrizes, o Programa ainda permite projetos que usem mini-hidrelétricas (com potência de no máximo 1.000 kW) em regiões que tiverem potencial para tal.

Nos cinco anos de existência do Programa, nunca houve no Luz para Todos um projeto em grande escala que priorizasse fontes mais ecológicas de energia. Shinoda afirma que houve projetos pilotos em parceria com universidades, mas entende que essas experiências ainda não permitem garantir o sucesso em deste empreendimento maior.

Para ele, a análise dos projetos enviados e a aplicação em pequenas comunidades serão formas de teste. “Ou vamos descobrir que as companhias de energia sempre estiveram erradas e vamos convencê-las a trabalhar com isso, ou vamos ver que estiveram certas o tempo todo”, pondera. “Mas creio que elas verão que é possível e vão querer trabalhar em grande escala”.

Shinoda afirma ainda que a atuação do Luz para Todos na Amazônia “estava muito a desejar” e diz que, se o programa conseguir estimular investimentos em grande escala em fontes alternativas, terá atingido seu sucesso total. “Podemos terminar alavancando o desenvolvimento de novos equipamentos no Brasil para melhorar a geração de energia de forma alternativa”.

Fonte: PNUD Brasil.

terça-feira, 3 de março de 2009

Carlos Minc está liberado para invadir estados com Força Nacional


Raoni Ricci
Redação 24HorasNews

O ex-guerrilheiro e hoje ministro do Meio Ambiente do Governo Lula, Carlos Minc, venceu uma “briga” que considera fundamental para agir com veemência contra o desmatamento, principalmente na floresta Amazônia. Desde ontem (2), o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pode convocar a Força Nacional de Segurança Pública para combater os crimes ambientais. Ou seja: se Minc achar que precisa invadir, por exemplo, o estado de Mato Grosso, para coibir um crime ambiental, o governador Blairo Maggi estará de mãos atadas.

Anteriormente, o uso da Força Nacional, que conta com cerca de 500 homens, só poderia ser solicitado por um pedido oficial dos governos estaduais, que deveria ser enviado ao Ministério da Justiça, sob Tarso Genro. O ministro do Meio Ambiente, sempre reclamou da falta de “empenho” de alguns governadores, em regiões onde os índices de desmatamentos eram elevados. Depois de muitos entraves, a legislação foi alterada por Genro.

"Houve casos em que nós queríamos convocar a Força Nacional e não podíamos fazê-lo", lembrou Minc. O ministro citou casos como o ocorrido em Paragominas (PA), no fim de 2008, quando madeireiros incendiaram carros da sede local do Ibama, além de jogar coquetéis molotov no hotel em que estavam os agentes, mas nós não tínhamos poder para pedir a convocação da Força Nacional”, frisou.

Entretanto, algumas ações capitaneadas pelo ministro Minc, com apoio da Força Nacional, deixaram impressões um tanto desagradáveis, principalmente em Mato Grosso, estado que figura há muitos anos entre os principais desmatadores das florestas. A população de Colniza (1.160 Km de Cuiabá), não vai se esquecer tão cedo da “Operação Três Fronteiras”, realizada em outubro de 2008. Os policiais da Força Nacional foram acusados de agir com violência contra proprietários de lotes, demonstrando completo despreparo para agir em tais circunstâncias.

Na época, autoridades do município cobravam mais apoio do Governo do Estado para que pudessem ganhar tempo para regularizar a situação fundiária. O deputado José Riva (PP), hoje presidente da Assembléia Legislativa de Mato Gross, engrossou o coro e exigiu mais empenho de Maggi com a situação caótica de Colniza, completamente acuada pela Força Nacional.

O vice-prefeito da cidade, na ocasião, Carlos Alberto de Souza, confirmava a existência de muitos problemas fundiários, mas que a ação do Ibama com a Força Nacional estava sendo muito rigorosa e em alguns relatos de moradores, até violenta. “Colniza pede paz e socorro as nossas autoridades”, afirmava o vice-prefeito. A preocupação maior, diante da liberdade que se deu ao Ministério do Meio Ambiente, é a união da ousadia do ministro com um possível despreparo das tropas da Força Nacional para trabalhar em combate aos crimes ambientais.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Nova ferramenta vai ajudar a explicar as grandes ameaças ao meio ambiente



No dia 17 de fevereiro, em Nova York, aconteceu o lançamento do consórcio mundial do qual a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), é líder na América Latina. Esse grupo de instituições de pesquisa e universidades visa identificar as propriedades do solo em todos os continentes do planeta. Alguns dos itens que serão mapeados são: o risco de erosão, nível de estoque de carbono orgânico (que combate o efeito estufa), disponibilidade de nutrientes. As primeiras regiões beneficiadas serão África e Ásia, o problema da fome é mais grave.



O projeto, cuja primeira etapa vai durar cinco anos, terá como principal patrocinador a fundação do ex-presidente da Microsoft, a The Bill & Melinda Gates Foundation. Ao final desse período, será lançado um banco de dados na internet, acessível a qualquer usuário, que facilitará a tomada de decisões governamentais. A pesquisadora Maria de Lourdes Mendonça, da Embrapa Solos (Rio de Janeiro - RJ) é a representante da Embrapa neste projeto.

A demanda surgiu a partir do 2nd Global Workshop on Digital Soil Mapping, realizado pela Embrapa Solos, no Rio de Janeiro, em 2006. Na ocasião, 80 cientistas de 17 países se reuniram para apresentar e discutir as inovações tecnológicas aplicadas à ciência do solo. No entanto, a iniciativa de se montar um consórcio só tomou corpo meses depois, durante uma reunião de cientistas de vários países na Columbia University, Nova York, no final de 2006.

Na época, foram discutidas a metodologia a ser adotada, a composição e o estabelecimento do consórcio global, além da preparação das bases para a elaboração de uma primeira proposta para arrecadar fundos para a realização desse ambicioso projeto. "Representantes da fundação Bill e Melinda Gates participaram desta reunião e demonstraram grande interesse pelo projeto", afirma a Maria de Lourdes Mendonça, que também participa do Comitê Executivo Internacional para Mapeamento Digital de Solos.

O consórcio é formado por um Comitê Gestor contratado e mais cinco grupos, um em cada parte do globo: América do Norte, América do Sul (sob a responsabilidade do International Center of Tropical Agriculture - Ciat - e Embrapa), Ásia/Oceania, Europa e África. "A nossa participação é uma vitória para a Embrapa pela sua inclusão no Consórcio Global como co-responsável, juntamente com o Ciat, pela recuperação e organização dos dados para o mapeamento das propriedades e funções dos solos da América Latina", comemora Maria de Lourdes Mendonça.

A página do consórcio na internet pode ser visitada em www.globalsoilmap.net.

DONTE

Embrapa Solos
Carlos Dias - Jornalista
Telefone: (21) 2179-4578
carlos@cnps.embrapa.br

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Itapuí terá que enviar o lixo a 150 km da cidade


Itapuí – Com o fim do prazo provisório de doze dias em que o lixo estava sendo levado para Bocaina e sem acordo com a Secretaria do Meio Ambiente, a Prefeitura de Itapuí (44 quilômetros de Bauru) terá de buscar a saída mais onerosa para recolher os resíduos: enviá-los, a partir de segunda-feira, para Guatapará, a 150 quilômetros da cidade.

A prefeitura está em contato com uma empresa do setor sucroalcooleiro para adquirir um terreno para destinar o lixo produzido na cidade. Na última semana, a Secretaria do Meio Ambiente do estado informou que não teria verba para adquirir um terreno para o município. Porém, garantiu a possibilidade de liberar a licença do funcionamento do aterro em no máximo 30 dias após ser adquirido um local para destinar o lixo. “A prefeitura está buscando comprar um terreno sem desapropriação e a expectativa é solucionar o problema definitivamente”, disse o prefeito José Gilberto Saggioro (PPS). “Em março deve ter o terreno e no máximo em abril a situação deve ser resolvida”, completou o consultor da prefeitura Germano Camargo.

Até hoje a coleta de lixo vai temporariamente para Bocaina. Uma média de 16 toneladas diárias de lixo é recolhida na cidade de 12 mil habitantes de segunda a sábado. A partir de segunda-feira, no entanto, termina o “empréstimo” de Bocaina e os resíduos deverão ser levados para Guatapará, na região de Ribeirão Preto. Caminhões da empresa passarão a buscar o lixo em Itapuí, o que deve custar cerca de R$ 30 mil mensais.
Fonte: Jornal Cidade de Bauru

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Ano Polar confirma degelo no Ártico e na Antártida



Agora é oficial: o Ártico e a Antártida estão esquentando mais rápido do que se imaginava e seus mantos de gelo, especialmente o da Groenlândia, estão derretendo sob influência do aquecimento global. As conclusões são do maior esforço de pesquisa já feito sobre as regiões polares, que envolveu mais de 10 mil cientistas de 60 países, incluindo o Brasil.

Um relatório preliminar divulgado ontem em Genebra, que encerrou esse esforço de pesquisa, o 4º Ano Polar Internacional, afirma que "parece certo agora que tanto o manto de gelo da Groenlândia quanto o da Antártida estão perdendo massa e portanto aumentando o nível do mar, e que a taxa de perda de gelo na Groenlândia está crescendo".

O degelo acelerado dos polos é uma das maiores incertezas nos modelos do aquecimento global. Se derretidos, o oeste da Antártida e a Groenlândia elevariam o nível do mar em vários metros, o que seria desastroso para a humanidade.

No entanto, como o comportamento das geleiras antárticas e árticas é muito complexo, até agora tem sido impossível estimar a contribuição total do degelo polar para o nível do mar no futuro (no leste da Antártida, por exemplo, o gelo parece estar aumentando).

Essa questão ficou sem resposta no último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática), o comitê de climatologistas da ONU, que previu uma elevação de "modestos" 59 cm no nível global dos oceanos até o fim deste século.

Responder se os polos estão ou não perdendo gelo era um dos principais objetivos do Ano Polar Internacional, que começou em 2007 e termina em março. Num esforço de cooperação internacional sem precedentes e com US$ 1,5 bilhão de financiamento, cientistas usaram técnicas como medições por satélite de mudanças na elevação e nos campos gravitacionais dos mantos de gelo.

O resultado não é a última palavra sobre o assunto, mas as pesquisas feitas durante o Ano Polar indicam um balanço de massa negativo, ou seja, mais gelo é perdido do que o que se acumula por precipitação de neve. "Acho que os especialistas discordariam de um cenário de derretimento repentino, instantâneo ou catastrófico", disse à reportagem David Carlson, coordenador científico do Ano Polar Internacional.

"Mas acredito que eles dirão que observam uma aceleração do degelo, de forma que poderíamos observar efeitos substantivos no nível do mar em várias décadas ou um século, em vez de vários séculos."

Dados obtidos por navios oceanográficos na Antártida, boias equipadas com termômetros e até mesmo elefantes-marinhos com instrumentos amarrados na cabeça mostram que o oceano Austral está esquentando mais depressa que o restante dos oceanos do planeta.

Segundo o relatório divulgado ontem, há sinais de que o aquecimento global está afetando a Antártida de maneiras "insuspeitada". Ian Allison, um dos coordenadores do Ano Polar Internacional, disse que a primeira região a sentir o efeito das mudanças na Antártida será a América do Sul.

As informações são da Folha Online.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Homem da Meia-Noite sai em defesa do meio ambiente pelas ruas de Olinda


Olinda - Carnaval só começa mesmo depois que ele passa. As roupas e o estilo são um dos segredos mais bem guardados da festa em Olinda. À zero hora em ponto de domingo, o Homem da Meia-Noite sai do seu clube, na Rua Bonsucesso, para encantar os moradores e turistas.

Este ano, cerca de 500 mil pessoas já esperavam o boneco gigante na praça, mesmo debaixo de muita chuva. Para esta edição, algumas novidades: o gelo seco e os fogos de artifício.

A dona-de-casa Rosilda Alves chegou cedo para conseguir um bom lugar para o encontro.

“Ah, menina, esse homem, todo mundo fica encantado. Ele tem o segredo de ser um gentleman. Quando ele sai à meia noite e se vira para as mulheres, sai cumprimentando a todas nós com aquele ar de gentleman. Isso que deixa a gente emocionada. Acompanho há 25 anos. Quer chova, quer faça sol, eu estou aqui.”

Este ano, o Homem da Meia-Noite saiu com um fraque ecológico, com motivos ambientais, para defender a preservação da natureza. O tema, segundo o diretor do clube, Luiz Adolpho, atualiza a missão social do boneco gigante, que completou 77 anos no dia 2 de fevereiro, dia de Iemanjá.

“Nosso tema é referente à natureza que está tão desgastada, maltratada. Nada melhor do que juntar o gigante da meia noite com o gigante da natureza para fazer essa homenagem”, explica Adolpho, há sete anos à frente da direção do clube.

“Agora, como é meu último ano de gestão, eu fiz uma avaliação de que setor tinha nos ajudado mais. E vimos que foram os meios de comunicação. Por isso, eles também estão sendo homenageados. Nada melhor do que juntar o gigante da meia noite, com o gigante da natureza e da comunicação para fazer essa grande festa.”

Um dos comunicadores homenageados pelo Homem da Meia-Noite no carnaval deste ano é o radialista Ednaldo Santos. Ele é conhecido por ser um dos únicos comunicadores da cidade a produzir e apresentar um programa só com música pernambucana, frevo, maracatu e caboclinho. Ednaldo defende mais espaço para a produção regional nos meios de comunicação.

“O comunicador atual deveria estar mais ligado à cultura da sua terra. Há até, o que é um absurdo, uma certa discriminação quando se fala em tocar frevo. As pessoas falam que é uma música de época, que só deve se tocar no período de carnaval. Mas você chega nessa época e você ainda tem restrições de alguns veículos de comunicação, que não tocam frevo. Isso tem que mudar definitivamente.”

O funcionário público Pedro Garrido da Silva, conhecido como Pedro Mangabeira, é o carregador oficial do Homem da Meia-Noite há 20 anos. Além de muita honra, ele conta que a missão exige tranqüilidade e senso de humor.

“O segredo pra levar o 'homi' é muita responsabilidade na hora, tranquilidade e os preparativos na semana pré-carnavalesca para fazer a animação dos foliões. As mulheres querem beijar, tocar, e as crianças só dormem depois que ele passa. O percurso dele todinho é só de emoção.”

O clube do Homem da Meia-Noite foi transformado em Ponto de Cultura Nacional há dois anos. Segundo o vice-presidente do clube, Paulo Botelho, os recursos repassados pelo Ministério da Cultura têm financiado oficinas de dança e música para as crianças e jovens de Olinda.

“O Ponto de Cultura foi importante para dar sustentação a esse projeto social com 60 crianças. Os blocos têm o costume de só ter grana na época do carnaval. Com o ponto, deu pra gente dar uma respirada e ter grana durante o ano todo.”

O Homem da Meia-Noite e outros bonecos gigantes continuam a desfilar em Olinda até a Quarta-Feira de Cinzas. Na terça-feira (24), acontece a 22ª edição do grande encontro de bonecos gigantes da cidade.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Cetesb interdita aterro de Itapuí por falta de licença


Alcir Zago
alcir@comerciodojahu.com.br
Priscila Donato
prisciladonato@comerciodojahu.com.br

A agência de Bauru da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) interditou na manhã de ontem o aterro de Itapuí. Os motivos são falta de licenciamento e má operação. O prefeito José Gilberto Saggioro (PPS) diz que vai se reunir com o órgão ambiental para discutir o assunto.
A situação do depósito de resíduos sólidos de Itapuí é tão crítica que a companhia o classifica como vazadouro. “Aterro sanitário é licenciado, tem projeto”, explica o gerente da Cetesb de Bauru, Marcelo Antunes Ribeiro.
Segundo ele, vazadouro é o local onde se despejam resíduos sólidos sem a adoção de medidas de proteção ao meio ambiente.
Ribeiro diz que o aterro de Itapuí está em situação irregular porque não tem licenciamento. Outros problemas são a ausência de cobertura do lixo e a presença de catadores. O gerente informa que a interdição é definitiva. “Emergencialmente terão de levar o lixo para aterro licenciado na região”, diz. “Depois terão de providenciar uma nova área e fazer o licenciamento.”
Em 2005 o aterro de Itapuí já estava com sua capacidade esgotada. Há quatro anos o promotor de Justiça da Comarca de Jaú, Jorge João Marques, ingressou com ação civil pública contra o município para que fosse obrigado a fazer, em seis meses, um novo aterro. A Justiça a julgou procedente a ação em setembro de 2006. O município recorreu ao Tribunal de Justiça em novembro de 2007. O processo aguarda julgamento.
O prefeito de Itapuí, José Gilberto Saggioro, por meio da assessoria de imprensa, diz que tentará marcar reunião emergencial com a Cetesb para discutir solução para o problema. Informa também que solicitou recursos do governo estadual para a instalação de novo aterro, mas não obteve retorno.

Fonte: Jornal Comercio do Jahu

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Ministério do Meio Ambiente abre 200 vagas para agente administrativo


O Ministério do Meio Ambiente (MMA) abriu novo concurso público com oferta de 200 oportunidades para o cargo de agente administrativo, que exige formação de nível médio. A seleção será elaborada pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB). As informações podem ser encontradas no Diário Oficial da União, na página 89 da terceira seção.

Os candidatos inscritos deverão passar apenas por avaliações objetivas, com questões sobre conhecimentos básicos e específicos. Esta etapa, de caráter eliminatório e classificatório, deve ser aplicada no dia 5 de abril, apenas no Distrito Federal. A remuneração prevista é de R$ 1.947, em regime de 40 horas de trabalho semanais.

Quem tiver interesse em participar pode entrar no site www.cespe.unb.br/concursos/mma2009 e efetuar a inscrição dos dias 20 de fevereiro a 8 de março. A taxa de participação é de R$ 57. Aqueles que não tiverem acesso à rede podem se cadastrar nos computadores disponibilizados pela empresa organizadora na UnB, Centro Universitário Darcy Ribeiro, ICC, ala norte, mezanino, Brasília/DF.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Lula se reúne com novos prefeitos e prefeitas dias 10 e 11


O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, abre na terça-feira (10) no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, o Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas, convocado pelo Palácio do Planalto. O presidente quer debater com os dirigentes municipais recém- eleitos sobre temas importantes que preocupam o povo brasileiro como o desmatamento na Amazônia, a mortalidade infantil, o analfabetismo, o sub-registro civil e o combate à pobreza, entre outros. O objetivo é aproximar o governo federal dos novos gestores municipais e reafirmar a relação de respeito e diálogo.

O encontro está programado para dois dias (10 e 11) e é esperado um público de 10 mil pessoas, entre prefeitos, prefeitas e assessores. Durante o período, serão apresentados aos prefeitos e prefeitas eleitos os principais programas federais que já contribuem para a solução dos problemas brasileiros. Aos participantes, o presidente da República vai dizer que "não importa o tamanho da sua cidade, você vai encontrar no governo federal um parceiro para cumprir o compromisso de uma gestão municipal de qualidade, que promova a inclusão social".

O Ministério do Meio Ambiente participa do encontro no dia 11 com palestras nos principais painéis e em oficinas paralelas. No dia 11, das 14h30 às 16h, Minc participa da oficina Amazônia: Opções para a produção rural sustentável. A oficina tem como proposta incentivar os novos gestores da Amazônia Legal a implementarem políticas públicas integradas com os governos federal e estaduais voltadas à transição do modelo produtivo no meio rural para a sustentabilidade.

Em sua palestra, o ministro do Meio Ambiente vai falar sobre Fazer e ser diferente com a produção sustentável. Vai também apresentar os compromissos do Plano Nacional Sobre Mudança do Clima e o controle do desmatamento; as alternativas no plano normativo, com o Cadastramento Ambiental Rural e ZEE; o Fundo Amazônia, FNMA, Pagamento por Serviços Ambientais e Pró-recuperação e Concessão Florestal e Ecoturismo. A oficina terá a participação dos ministros Reinhold Stephanes, da Agricultura, e Guilherme Cassel, do Desenvolvimento Agrário, e do presidente do Banco da Amazônia, Abidias José de Souza Júnior.

Em seguida, às 16h, o ministro Carlos Minc, participa do Painel PAC - Habitação e Saneamento Ambiental: parceria com os municípios do Brasil. O debate terá a participação do ministro das Cidades, Márcio Fortes, da presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda Ramos Coelho, e do presidente da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Danilo Forte. Alguns prefeitos estarão presentes para oferecer depoimento sobre experiências municipais bem-sucedidas.

O MMA participa ainda do encontro por meio de duas outras oficinas. A primeira delas está marcada para as 8h30 do dia 11 e vai tratar o assunto: Políticas públicas de resíduos sólidos urbanos e apoio a auto-organização dos catadores e materiais recicláveis. O diretor do Departamento de Ambiente Urbano do MMA, Silvano Silvério, participa como palestrante e vai discorrer sobre A Política Nacional de Resíduos Sólidos / Instrumentos (responsabilidade do gerador/benefícios aos catadores); sobre a Lei de Saneamento Básico; a Regionalização e Gestão Associada e Integrada dos Resíduos Sólidos Urbanos e sobre o Licenciamento Simplificado de Aterro de Pequeno Porte.

A outra oficina vai tratar dos Consórcios Públicos: um instrumento de cooperação federativa para o desenvolvimento do Brasil. O evento está marcado para as 10h30 e terá como objetivo incentivar prefeitos e prefeitas para a formação de consórcios públicos. O diretor de Ambiente Urbano do MMA falará sobre Consórcios Públicos para Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - experiência do Ministério do Meio Ambiente.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

É possível


Marina Silva
De Brasília (DF)

Encerrado o Fórum Social Mundial de Belém, o próximo deverá ser descentralizado e somente em 2011 teremos outro encontro do porte deste, do qual participaram 130 mil pessoas, imbuídas da certeza de que um outro mundo é possível. E de que ele surgirá da rejeição dos modelos estabelecidos e da capacidade de estruturar propostas, espaços e processos inovadores e movidos por valores de justiça, equidade e equilíbrio social e ambiental.

É difícil fazer um balanço, ou melhor, talvez não caiba um balanço para algo cuja marca é a diversidade de idéias, conhecimentos, culturas, idades, condição econômica, nacionalidades, línguas. Talvez seja mais adequado apenas transmitir algumas impressões do que me foi dado vivenciar e observar nesses dias em Belém, dentro da vasta agenda de eventos simultâneos do Fórum. Participei de vários debates e o que mais me chamou a atenção foi o grande interesse da juventude por temas ligados ao meio ambiente. No último, sobre crise ambiental planetária e mudanças climáticas, juntamente com o professor Leonardo Boff e o indiano Vinod Reida, o auditório lotado de maioria jovem ouviu em postura silenciosa e concentrada e, pela reação ao final, demonstrou sua mobilização e compromisso com o tema.

Ao mesmo tempo, quando os participantes eram mais diversificados, observei que não havia diferenciação nem de idade nem de situação econômica e nem de origem ou cultura, na preocupação em entender a crise ambiental planetária e, principalmente, em fazer alguma coisa. E, embora esse fazer ganhe inúmeras traduções, a depender da visão social e das possibilidades de cada pessoa, senti a força da disposição concreta para o agir agora.

Não se trata de um discurso sobre o inatingível e inalcançável, de uma dimensão além do alcance de cidadãos comuns. Há um entendimento de que a cada um é possível, sim, dar uma contribuição. Como se um dissesse: eu já faço algo, mas como posso fazer mais? E o outro respondesse: ainda não estou fazendo, como posso começar a fazer?

Mas também há consciência clara de que é insubstituível o papel de governos, instituições multilaterais, grandes empresas e outros atores cujo porte os faz responsáveis por desencadear ações com o impacto necessário a catalisar as iniciativas da sociedade e estabelecer novos padrões e paradigmas. É uma pena que a maioria dos políticos e das estruturas de poder não esteja antenada para essa energia. Enredam-se em saídas velhas para a crise econômica, não reconhecem a dimensão da crise ambiental, não vêem como as duas são inseparaváveis e se perdem em discursos igualmente velhos.

Saí do Fórum segura de ter tido a oportunidade de constatar, por uma boa amostragem - a das pessoas engajadas ou dispostas a um engajamento maior e, portanto, prontas para multiplicar suas inquietações e conhecimentos - que a inserção do tema ambiental está mudando em todos os segmentos sociais. Deixa de ser um campo restrito para capilarizar-se no cotidiano e ganhar lugar essencial nos acontecimentos da vida coletiva e individual. Meio ambiente já tem a visibilidade de uma nova força mobilizadora. O maior exemplo foi a maneira integrada como a crise econômica e a crise ambiental fundiam-se nas falas e manifestações nos diferentes eventos.

Tive, inclusive, a sensação de que a própria situação mundial de aumento de incertezas faz com que as pessoas reposicionem suas referências. O pragmatismo dá lugar aos valores e aos sonhos, os únicos sólidos o suficiente para ancorar a esperança. Pode parecer um paradoxo, porque os sonhos poderiam ser vistos justamente como algo intangível, etéreo, sem substância para nos ancorar, mas creio que acontece o contrário. É nesses momentos que percebemos o quanto as bases materiais da sociedade são inseguras, voláteis, imediatistas e geradoras de cultos a ilusões desprovidas da profundidade de que precisamos para direcionar a vida e lhe dar sentido.

Estamos numa conjuntura propícia a essa busca na qual nos questionamos e encontramos disposição para mudar. E é nessa conjuntura que a defesa do meio ambiente deixa de ser uma militância marginal e específica para se inserir no centro da construção de alternativas de organização social e econômica que representem um avanço real diante do fracasso do modelo consumista, utilitarista e excludente que nos levou aos impasses atuais.

Assim, é importante não se deixar levar por notícias que acabam dando uma visão folclorizada do Fórum, como se fosse um reduto de malucos, radicais e retóricos. É que, ao contrário de Davos, onde o recorte do poder é condição para sentar-se à mesa, o Fórum é amplo, aberto, e só exige a disposição para mudar o mundo. Utopia? Felizmente, sim.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Supermercado inova com cobrança por sacolinhas


Elas são companheiras fiéis em quase todas as compras. Brancas ou coloridas, as sacolas plásticas fazem parte do dia-a-dia do consumidor. Seu uso tornou-se tão comum que poucos param para pensar para onde elas vão quando são descartadas pelos usuários. A resposta muitas vezes assusta. Como são feitas de material não biodegradável, elas levam séculos para se decompor e podem causar prejuízos ao meio ambiente. Segundo ambientalistas, 90% de todo o plástico produzido no mundo ainda se encontra no meio ambiente e entope tubulações de águas pluviais, agrava enchentes e asfixia o solo.
Pensando numa saída para reduzir o consumo das sacolinhas plásticas, os supermercados vêm investindo em alternativas para os consumidores. Alguns oferecem embalagens confeccionadas com materiais ambientalmente corretos como papel, papelão e plásticos oxi-biodegradáveis, enquanto outros cobram pelas sacolinhas, uma forma de incentivar os consumidores a levarem suas próprias sacolas para transportar as compras.
A medida não agradou a todos os consumidores. Muitos reclamam da cobrança, visto que a doação das sacolinhas é um brinde comum em todo o comércio. Porém, agradável ou não, a iniciativa está se tornando cada vez mais popular.
Em Rio Claro, uma rede de atacado recentemente instalada no município trouxe a novidade para a cidade. A loja cobra R$ 0,12 por sacolinha utilizada pelo consumidor. No entanto, a sacola fornecida é maior e confeccionada com um material mais resistente que as embalagens comuns. Além das sacolas plásticas, o mercado oferece outros dois modelos de sacolas retornáveis, em algodão e nylon, com custo de R$ 3,90 e R$ 7,90, respectivamente.
Como acontece com toda novidade, sempre há resistências iniciais. De acordo com o gerente do atacado, Moisés de Oliveira Leme, alguns clientes reclamam, mas acabam entendendo que essa prática segue uma tendência mundial. "As pessoas reclamam, mas acabam entendendo o conceito", comenta Leme.
Segundo ele, a medida atende o lado social e o comercial, já que reduz os custos e incentiva o consumidor a evitar o uso de sacolas plásticas, ajudando o meio ambiente. A prática é uma norma seguida por todas as 30 lojas da rede. "Alguém tem que começar", declara Leme. "Acredito que num futuro próximo essa será uma tendência mundial", acrescenta.
O gerente explica que quem não quiser comprar as sacolas tem a opção de levar sua própria embalagem ou ainda fazer uso das caixas de papelão disponibilizadas pelo estabelecimento. Ele conta que parte da renda obtida com a venda das sacolinhas é doada para uma entidade filantrópica, no caso a AACD.
Leme salienta que a medida não encontrou muita resistência por parte dos consumidores. A iniciativa da rede em incentivar a redução do consumo das sacolas plásticas rendeu à loja a obtenção de um selo verde fornecido por uma entidade ambiental.
A prática adotada pela loja já está promovendo uma reação em cadeia. Além de educar o consumidor sobre a importância de preservar o meio ambiente, os fornecedores da loja também começam a manifestar o desejo de se engajar nessa luta. O gerente conta que alguns fornecedores já estudam a possibilidade de confeccionar suas embalagens com material biodegradável, um prenúncio claro de que eles estão se moldando ao momento.
A prática adotada pela loja de Rio Claro está sendo repetida pela maioria das grandes redes de supermercado e atacado em todo o País. Há municípios brasileiros em que até mesmo existem leis proibindo o uso de sacolas plásticas nos supermercados. A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou projeto de lei (534/2007) do deputado Sebastião Almeida (PT) que obrigava os supermercados a usarem embalagens plásticas oxi-biodegradáveis, mas o projeto foi vetado pelo Executivo.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Marina critica corte de verba para Meio Ambiente


De Soraya Aggege e Maiá Menezes em O Globo:

A notícia do corte preventivo de 79% no orçamento do Ministério do Meio Ambiente teve forte repercussão no Fórum Social Mundial, que ontem centralizou os debates em torno da Amazônia e do aquecimento global.

A senadora e ex-ministra Marina Silva (PT-AC), que tem evitado críticas ao governo, se mostrou indignada. Disse que a medida é incoerente e contraditória.

A cúpula petista, concentrada no Fórum, evitou declarações formais, mas, nos bastidores, líderes se diziam constrangidos com a medida, que arrancou críticas de ativistas.

- Trata-se de uma incoerência com o nosso projeto. O orçamento do Meio Ambiente já é muito pequeno. Além disso, há uma falsa idéia de se cortar custeios do ministério, mas, nesse caso, as verbas são para a fiscalização do Ibama e para unidades de conservação criadas pelo próprio presidente Lula. O que faremos? Vista grossa?- disse Marina.

Leia mais em Marina acusa governo de incoerência por corte de verba do Meio Ambiente no Orçamento

O bloqueio de R$ 37,2 bilhões do Orçamento da União foi interpretado pela oposição como um indicativo claro de que a crise econômica é grave e, pela primeira vez, o governo estaria admitindo essa gravidade. Leia mais em Orçamento: oposição critica redução de investimento